Pesquisar este blog

Carregando...

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

 
 
Durante muito tempo os grãos de cereais como o trigo, arroz, milho, centeio e aveia têm sido elementos dominantes nos hábitos alimentares sendo amplamente consumidos no mundo inteiro e em uma enorme variedade de produtos.
No entanto, a maior parte dos alimentos à base de cereais são consumidos na sua forma refinada. Isto significa que a parte exterior do grão é removida, durante a moagem dos cereais, conservando o endosperma, composto principalmente de amido, que é posteriormente moído para a obtenção de farinhas brancas (refinadas).
Para que um grão seja considerado integral, é preciso que este esteja completo, ou seja, possua três camadas: o farelo, denominado comumente de casca, o endosperma, porção intermediária e o gérmen, que é a semente.
O farelo, que compõem a camada mais externa, é rico em fibra, vitamina B, proteína e minerais; o endosperma constitui uma excelente fonte de energia para o corpo, pois fornece carboidratos complexos; e o gérmen, que por sua vez, possui alta quantidade de minerais, vitaminas, antioxidantes e fitonutrientes (substâncias naturais, presentes nas plantas, que fazem bem ao organismo).
A moagem e refinação resultam em perdas significativas de nutrientes e outras substâncias protetoras, presentes em grandes quantidades no farelo e no gérmen.
Os cereais integrais contêm nutrientes tais como a vitamina E, vitaminas do complexo B e minerais como o selênio, zinco, cobre, ferro, magnésio e fósforo. Também são ricos em carboidratos complexos e fibras e apresentam um baixo teor de gorduras. Quando usados em combinação com feijão e outras leguminosas, tornam-se uma boa fonte de proteínas. Grãos integrais contêm componentes adicionais chamados fitoquímicos ou fitonutrientes.
É indicado usar grãos integrais, pois ingerindo a mesma quantidade de energia de um alimento comum, o indivíduo adquire maior quantidade de minerais, vitaminas, fibras, antioxidantes, lipídios, proteínas e outros nutrientes.
O ideal para uma dieta saudável é o consumo de cinco a seis porções de grãos ao dia, sendo que destas devemos ingerir ao menos três porções de cereais integrais.
Se você acha que a meta de três a seis porções diárias proposta é inalcançável, vamos mostrar que a tarefa não é das mais difíceis. Dá para começar caprichando no café-da-manhã com aveia e cereais matinais à base de milho ou de trigo. Já o arroz e a cevada podem ser apreciados no almoço e no jantar, enquanto pães de centeio são perfeitos para os lanches.
 
Os efeitos benéficos dos grãos incluem:
- Redução do colesterol (por exemplo, pelas fibras solúveis encontradas na aveia, centeio). O consumo de cereais integrais como parte de uma dieta saudável, reduz os níveis de colesterol no sangue e podem diminuir o risco de doenças cardíovasculares. Pesquisas recentes mostram que as pessoas com corações saudáveis tendem a comer mais alimentos contendo cereais integrais, como parte de uma dieta com baixo teor de gorduras e estilo de vida saudável.
- Produção de baixos níveis de glicose e conseqüente menor resposta da insulina (um benefício na perda de peso). Quando comemos, há um pico de glicose no sangue após a refeição. Já os integrais fazem diminuir esta quantidade da substância no sangue, contribuindo também no controle do diabetes.
- Aumentam a saciedade ajudando na manutenção e perda de peso;
- Reduzem o risco de alguns tipos de câncer, especialmente os associados à obesidade (no intestino e no estômago);
- Efeito protetor pelas fibras (do farelo) no intestino: A lignana das plantas, como encontrada na linhaça, farelo de trigo e centeio, são fitoestrógenos e são conhecidos pela sua proteção   contra alguns tipos de câncer.
- Bom funcionamento intestinal: As fibras presentes nos cereais integrais são importante para o bom funcionamento intestinal, pois aumentam o bolo fecal e facilitam o trânsito intestinal. IMPORTANTE:  não esqueça de ingerir no mínimo 2 litros de água ao dia para que as fibras possam funcionar corretamente!
 
Alguns tipos de cereais:
Aveia: utilizada nos cereais em flocos e em biscoitos. O farelo de aveia tem um alto teor de fibras solúveis, que ajudam a baixar os níveis de colesterol no sangue. Ainda proporciona um aproveitamento melhor da insulina, fator importante no emagrecimento.
Centeio: contém um pouco de glúten, porém menos que a farinha de trigo, motivo pelo qual os pães de centeio tendem a ser pesados e úmidos. O centeio também é usado em alguns biscoitos e no pão torrado.
Cevada: alimento básico do oriente médio. É conhecida entre nós principalmente como ingrediente de sopas. Tem um sabor adocicado que o torna um suplemento interessante nos pratos que vão ao forno e nas saladas.
Trigo: Durante a moagem, o farelo (a casca exterior) e o gérmen são removidos, fazendo com que o produto final seja menos nutritivo que a farinha de trigo integral. O chamado trigo para quibe, por exemplo, consiste em caroços de trigo integral quebrados e torrados; tem um sabor rico e pode ser utilizado na preparação de quibes, tabule ou recheios, ou ainda pode ser combinado com grão-de-bico, passas ou nozes, resultando daí uma salada rica em proteínas. As proteínas do trigo chamam-se glutenina e gliadina que formam o glúten, a substância responsável pela elasticidade da massa e maciez do pão. Existem indivíduos que podem ser intolerantes ao glúten (chamados celíacos) ou hipersensibilidade ao glúten.
Arroz: Entre as suas variedades o arroz integral deve ser preferido ao grão polido, já que retém todos os seus minerais, vitaminas e fibras. O arroz integral de grão longo é leve e solto, e seu sabor aproxima-se mais ao sabor do arroz branco ao qual tantas pessoas estão habituadas. O arroz integral de grão curto tem uma textura mais grossa e um sabor mais acentuado; demora mais para cozinhar do que o arroz branco. O arroz integral é uma alimento rico em vitaminas do complexo B e proporciona ainda pequenas quantidades de cálcio e de fósforo. O arroz branco, sem as camadas exteriores do grão original, consiste principalmente em amido com um pouco de proteína. Atualmente encontramos diversos produtos derivados do arroz, farinha, macarrão, farelo, biscoitos.
Milhete: Um grão tradicional na Ásia e no norte da África, não contém glúten; é transformado em deliciosos pães achatados e também pode ser usado no pilau (um prato oriental) ou como recheio.
Milho: Além de poder ser servido fresco, é a base de uma grande variedade de alimentos, inclusive pipoca, cereais em flocos, xarope de milho, polenta, tortilhas, pão de milho e canjica.
Quinua: É rico em aminoácidos essenciais, vitaminas e minerais. Contém fibras e costuma ser encontrado integral na forma de farinha, flocos, macarrão ou grão. Pode ser usado no preparo de pães, biscoitos, bolos, sopas e refogados.
Amaranto: originário da América do Sul e Central, contém alto teor de proteínas, e quantidades importantes de lisina.
Painço: proveniente da Índia, é muito usado em países como Rússia, China e Himalaia. Deve ser tostado antes de ser servido.
Triticale: é um híbrido de trigo duro e centeio. Como não necessita de produtos químicos para ser cultivado, é popular entre os adeptos à alimentação orgânica. Sua quantidade de proteínas é mais alta que a do trigo e soja.
Com tantos benefícios, que tal enriquecer nossa alimentação com os grãos?  Mas não exagere: o consumo excessivo não é recomendado uma vez que eles contêm substâncias denominadas fitatos, responsáveis pela redução da absorção e aproveitamento de alguns  minerais, incluindo o cálcio e o ferro.
Para a maioria das pessoas, a quantidade de fitatos proveniente da dieta habitual, não representa problemas, contudo, indivíduos que apresentem um elevado consumo de alimentos à base de cereais integrais podem necessitar de suplementação adicional de minerais além de irritação intestinal, distensão abdominal e flatulência.
Portanto, procure um nutricionista, ele saberá adequar sua alimentação e fazer com que você aproveite ao máximo os benefícios dos grãos.
 
Fonte:  ANutricionista.Com - Tatiane Trevilato de Brito - CRN3 26450 - Nutricionista em Ribeirão Preto.
 

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Os 6 Benefícios da Salsa Para Saúde

A Salsa é rica em um arsenal antioxidante que inclui luteolina, um flavonóide que se estende para fora e elimina os radicais livres no organismo que causam o estresse oxidativo nas células



A Salsa Embora tradicionalmente ignorado como apenas um enfeite, a Salsa é um gigante entre outras ervas em termos de benefícios para a saúde, e em quantidades tão pequenas também. Aqui estão seis razões pelas quais uma pitada de salsa não só pode fazer suas refeições mais saborosas, mas também o seu corpo saudável. A salsa ou salsinha é rica em nutrientes, tais como vitaminas e minerais que são excelente para a manutenção de uma boa saúde! A salsa ou salsinha é rica em vitamina A, vitamina B1, vitamina B2, vitamina C e vitamina D. Quanto aos sais minerais a salsa ou salsinha é rica em cálcio, enxofre, ferro, fósforo, magnésio e potássio. Leia mais sobre os 6 Benefícios da Salsa Para Saúde!

Os Benefícios da Salsa Para Saúde
Benefícios da Salsa  Contra o Câncer: Os estudos mostram que miristicina, um composto
orgânico encontrado no óleo essencial da salsa, não só inibe a formação de tumor (em especial nos pulmões), mas também ativa o enzima glutationa-S-transferase, que ajuda a glutationa molécula anexar, e lutar contra, moléculas oxidadas. Miristicina também pode neutralizar agentes cancerígenos como o benzopireno na fumaça do cigarro, podendo passar através do corpo, consequentemente, lutar contra o câncer de cólon e de próstata.

Salsa é rico em Antioxidantes: A Salsa é rica em um arsenal antioxidante que inclui luteolina, um flavonóide que se estende para fora e elimina os radicais livres no organismo que causam o estresse oxidativo nas células. Luteolina também promove o metabolismo de hidratos de carbono e o corpo serve como um agente anti-inflamatório. Além disso, duas colheres de sopa de salsa contêm 16% da RDA de Vitamina C e mais de 12% da RDA de Vitamina A – dois antioxidantes potentes.
Benefícios da Salsa como Anti-inflamatório: Juntamente com luteolina, a Vitamina C encontrado na salsa serve como um agente anti-inflamatório eficaz no interior do corpo. Quando consumidas regularmente, eles combater o aparecimento de distúrbios inflamatórios, tais como osteoartrite (a degeneração da cartilagem articular e o osso subjacente) e artrite reumatóide (uma doença que causa a inflamação das articulações).

Benefícios da Salsa para sistema imunológico:  A Vitamina C e Vitamina A, encontradas na salsa servem para reforçar o sistema imunológico do corpo, embora de maneiras diferentes. A vitamina C é necessária para o colágeno, a principal proteína estrutural encontrado no tecido conjuntivo. Este nutriente essencial, não apenas irá acelerar a capacidade do corpo e para reparar as feridas, mas também manter os ossos e dentes saudáveis.
A Vitamina A, por outro lado, fortalece os pontos de entrada no corpo humano, tais como mucosas, membranas, o revestimento dos olhos, e respiratória, urinária e intestinal. Além disso, os linfócitos ou células brancas do sangue dependem de vitamina A para combater a infecção do corpo.

Benefícios da Salsa para Coração: homocisteína é um aminoácido que ocorre no organismo, ameaça vasos sanguíneos do corpo, quando os seus níveis de tornar-se demasiado é alta. Felizmente, o Ácido fólico (ou vitamina B9) encontrados em salsa ajuda a converter homocisteína em moléculas inofensivas. Um enfeite regular de salsa podem ajudar a afastar doenças cardiovasculares, como ataque cardíaco, derrame e aterosclerose.
Salsa é Rica em Vitamina K: Duas colheres de salsa tem 153% da RDA de Vitamina K, que é necessário para a síntese da osteocalcina, uma proteína que fortalece a composição dos ossos. A vitamina K também impede o acúmulo de cálcio no nosso tecido que pode levar a aterosclerose, doenças cardiovasculares e acidente vascular cerebral.

Finalmente, a vitamina K encontrado na salsa é essencial para a síntese de ingolípidos, a gordura necessária para manter a bainha de mielina em torno dos nossos nervos, e no sistema nervoso.
 
Receita de Salada da Hora
ingredientes
  • 1 - Maço de alface Americana
  • 1 - Maço de Rúculas
  • ½ - Maço de Salsinha (Picada a Mao)
  • 1 - Pepino Japonês (Cortado em Diagonal)
  • 1 - Cebola Branca (Cortada e Rodelas)
  • 1 - Cebola Roxa (Cortada e Rodelas)
  • 10 - Azeitonas Pretas
  • 10 - Azeitonas Verdes
  • 2 - Tomates cortados em File
  • 6 - Pimentas doces
  • 1 - Suco de um Limão
  • 3 - Colheres de azeite
  • 1 - Colher sopa de vinagre branco
  • ½ - Colher de sopa de vinagre balsâmico (Opcional)

Modo de preparo

Em uma travessa coloque as folhas, cebola, azeitonas, salsa, pepino, pimenta, sal, limão, vinagre mexa e sirva.


Fonte: saudedica e maisvoce

 

 

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Os benefícios do consumo de líquido


 

Como é do conhecimento geral, está provado cientificamente que diariamente, cada adulto deveria ingerir entre 1,5 a 2 litros de líquidos. E se durante a juventude, talvez alguns não se preocupem muito com isso, a verdade é que, com o passar dos anos, à medida que a idade vai avançando, a ingestão desta quantidade de líquidos torna-se cada vez mais importante devido a uma maior vulnerabilidade por parte da pessoa e também por ser maior a probabilidade de se virem a desenvolver algumas manifestações de desidratação das células.
Nas pessoas idosas, esta desidratação é comum devido à maior utilização de medicamentos, tais como os diuréticos e os anti-hipertensivos que fazem com que o volume urinário diário aumente. Além disso, o próprio processo de envelhecimento faz com que aumente o ressecamento das mucosas, tal como acontece com a mucosa oral, sendo este conhecido como o ressecamento da boca. Isso acontece porque as glândulas orais deixam de segregar a quantidade correta de saliva. No entanto, esse processo poderá ser revertido através de uma ingestão adequada de líquidos. Por outro lado, quando não se ingere a quantidade necessária de líquidos por um período prolongado de tempo, o organismo da pessoa fica mais vulnerável, sendo possível que ocorra a sua desidratação, além de ser possível que a pessoa passe a sofrer de alterações renais que poderão passar pelo problema conhecido como “pedra nos rins”.
Quando o nosso corpo não tem a quantidade suficiente de água, os nossos rins (responsáveis pela filtragem do sangue e pela produção da urina) passam a funcionar sob um maior esforço, acabando por reter algumas substâncias tóxicas tais como o ácido úrico e a ureia, entre outras.
Mas, apesar da necessidade de se ingerir entre 1,5 a 2 litros, convém que essa ingestão seja feita principalmente na parte da manhã e da tarde, já que durante a noite, a manutenção de líquidos na bexiga pode causar um grande desconforto e, principalmente no caso dos idosos, a necessidade de se dirigirem ao WC faz com que, devido à falta de iluminação, possam ocorrer quedas lesivas da saúde física dos mesmos.
Quando falamos aqui sobre ingestão de líquidos, algumas pessoas pensam que falamos apenas de água, mas isso não é verdade. Os chás, sumos de fruta e outros líquidos também são eficazes. No entanto, é necessário o cuidado de se adicionar o mínimo possível de açúcar e, obviamente, 1,5 a 2 litros de bebidas alcoólicas também não serão apropriados.
 
Fonte: emforma.net

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Abertura Medida Certa CRIO



Nesta manhã de segunda-feira (03), demos início ao Projeto Medida Certa com uma palestra sobre "Alimentação Saudável no dia a dia", ministrada pela blogueira Nayana do Vale. O momento foi bastante proveitoso para os participantes e foram esclarecidas diversas dúvidas. Agradecemos a Empresa Bienutrir pela cesta de alimentos saudáveis e a Nayana pela excelente palestra.

Confira dicas de saúde no blog: http://www.queridavidasaudavel.com.br/
Confira as fotos do evento:














quinta-feira, 30 de julho de 2015

Como anda sua saúde bucal?

A cárie é a deterioração do dente e é fortemente influenciada pelo estilo de vida do indivíduo

 
A saúde bucal é uma das áreas mais importantes da nossa saúde em geral, mas poucas pessoas dão seu devido valor. Você sabia que um desleixo com a boca pode causar até doença cardíaca?

Uma boca saudável é notada pela ausência de doenças. A cárie, placa bacteriana, tártaro, doença periodontal, feridas, manchas, mau hálito, gengivas vermelhas, dentes amarelos e apinhamento dos dentes denotam uma boca com problemas que devem ser tratados.

É através da boca que conseguimos comunicar e expressar nossos sentimentos; é com nosso sorriso que podemos mostrar alegria e afeto pelas pessoas. Quer um motivo melhor por que devemos manter a boca sempre saudável e com uma aparência agradável?

Saúde Bucal e Doença Cardíaca
Os benefícios de uma boa higiene bucal vão muito além de um belo sorriso e de um hálito fresco. Muitos não sabem, mas há diversas pesquisas que mostram a ligação de uma má higiene bucal com doenças do coração. As bactérias como as da bolsa periodontal migram por bacteremia, ou seja, entram na corrente sanguínea através da boca e vão para o coração. Lá, proliferam-se e podem vir a ocasionar diversas doenças cardíacas, desde arritmia até endocardite bacteriana. O Instituto do Coração (Incor) realizou uma pesquisa em São Paulo e constatou que 45% das doenças cardíacas tinham origem na cavidade bucal, devido a caries profundas com comprometimento do canal, gengivas inflamadas, restos de dente e abscessos.

Saúde Bucal e Nutrição
Boca saudável é aquela que proporciona uma boa mastigação — que consequentemente trará uma boa digestão e uma melhor absorção dos nutrientes, trazendo saúde para o corpo todo. Pouca gente faz essa ligação entre a qualidade da mastigação e a boa nutrição, e acaba investindo em bons alimentos, com nutrientes, mas esquece dessa parte fundamental.

Principais Problemas de Saúde Bucal
Então, é necessário conhecermos e estarmos atentos aos diversos problemas bucais. Conheça alguns dos principais problemas bucais e como tratá-los:

1. Cárie

A cárie é a deterioração do dente e é fortemente influenciada pelo estilo de vida do indivíduo.

Podem ocasionar cáries: má alimentação, cuidado inapropriado dos dentes, uso incorreto da escova ou do fio dental. A hereditariedade e a acidez da boca também têm um papel importante na predisposição dos dentes para se deteriorarem.

Se a cárie não for tratada, ela pode destruir o dente e matar os seus nervos centrais; podendo resultar em um abscesso, uma área de infecção na ponta da raiz. Uma vez formado o abscesso, ele só pode ser curado com tratamento de canal, cirurgia ou extração do dente.

Algumas dicas para evitar a cárie:

  • Escove os dentes pelo menos três vezes ao dia.
  • Use o fio dental diariamente para remover a placa bacteriana entre os dentes e sob a gengiva.
  • Consulte um dentista regularmente: a prevenção é essencial para evitar os problemas mais sérios.
  • Tenha uma dieta balanceada, com pouco açúcar e amido: estes alimentos colaboram significativamente para a formação da cárie.
  • Utilize um enxaguante bucal para complementar a higiene.
2. Placa Bacteriana
É uma película pegajosa e incolor, formada por bactérias e açúcares que se alojam sobre os dentes.

A placa bacteriana é a principal causa das cáries e gengivite — se ela não for removida, endurece e forma o tártaro.

Como as bactérias estão presentes em nossa boca, elas aproveitam os nutrientes contidos na saliva e nos alimentos que ingerimos para se desenvolver. A placa causa cárie quando os ácidos que ela produz atacam os dentes. Isso costuma ocorrer logo após as refeições — por isso a importância de se escovar os dentes. Sofrendo esses ataques repetidamente, o esmalte dos dentes pode se desfazer e abrir caminho para a formação de cáries. A placa bacteriana pode também irritar a gengiva ao redor dos dentes, causando gengivite e até a perda dos dentes, caso não seja tratada.

Para evitar a formação da placa bacteriana basta escovar bem os dentes, passar fio dental diariamente, limitar a ingestão de alimentos com muito açúcar e amido. Ainda assim, quando se trata de placa, é essencial visitar o dentista para fazer limpeza em períodos regulares (normalmente 6 meses).

3. Tártaro

É quando a placa bacteriana endurece na superfície dos dentes. Pode se formar na gengiva e irritar os tecidos gengivais. Se o tártaro não for tratado, ele pode levar a problemas mais sérios, como cáries e gengivite.

O tártaro é uma formação mineral facilmente visível se estiver acima do nível da gengiva. O sinal mais comum é uma cor marrom ou amarela nos dentes na região da margem gengival. Só o dentista pode diagnosticar e remover o tártaro.

4. Doença Periodontal

Ocorre a doença periodontal quando uma grande quantidade de bactérias está presente na cavidade bucal. As doenças periodontais são consideradas infecções nas estruturas de suporte dos dentes — osso, ligamento periodontal e gengiva — causada por bactérias presentes na placa.

A doença periodontal pode ser um problema sério, pois é uma das responsáveis pela perda de dentes e gengivite.

5. Manchas

Existem pessoas que têm os dentes mais amarelados ou manchados que outras. A cor natural dos dentes pode ser afetada por diversos fatores:

  • Tabaco
  • Ingestão de muito café, chá, ou vinho tinto
  • Ingestão exagerada de alimentos altamente pigmentados como cerejas, amoras e molho de tomate
  • Acúmulo de depósitos de tártaro

A solução do problema é simples: uma limpeza realizada por um especialista removerá a maior parte das manchas. A utilização de cremes dentais e enxaguantes bucais branqueadores também podem auxiliar a remover estas manchas superficiais nos intervalos das visitas ao dentista.

Outra maneira mais eficaz é o clareamento realizado por um profissional para remover as manchas mais insistentes.

O clareamento pode ser feito tanto em um consultório dentário ou em casa, utilizando um sistema fornecido pelo seu dentista. Ambos os métodos utilizam um gel branqueador que oxidam a mancha. Durante o processo de clareamento, é normal que os dentes se tornem ligeiramente sensíveis. Vale lembrar que para efetuar o clareamento os dentes devem estar limpos, higienizados e sem cáries.

6. Mau Hálito

O mau hálito é um problema muito comum. Esse problema ocorre por uma higiene bucal inadequada, gengivite, ingestão de determinados alimentos, tabaco, boca seca e doenças do estômago, fígado e rins.

A maioria das pessoas têm mau hálito matutino porque tem uma produção menor de saliva durante a noite, permitindo que os ácidos e outras substâncias se deteriorarem no interior da boca. Medidas tais como escovar bem os dentes e língua, usar fio dental e principalmente um enxaguante bucal antes de dormir ajudam muito.

Se o seu mau hálito persistir mesmo após uma boa escovação e o uso do fio dental, consulte seu dentista, já que isso pode ser a indicação da existência de um problema mais sério. Só o dentista poderá dizer se você tem gengivite, boca seca ou excesso de placa bacteriana, que são as prováveis causas do mau hálito.

7. Gengivite

Uma inflamação na gengiva é um sinal de alerta para a gengivite. Quando a inflamação está no estágio inicial, ela é bem mais fácil de ser tratada. A causa direta da doença é a placa — uma película grudenta e incolor de bactérias que se forma, de maneira constante, nos dentes e na gengiva.

Quando esta placa não é retirada pela escovação formam-se toxinas que irritam a mucosa da gengiva causando a gengivite. Se a gengivite não for tratada, ela pode evoluir para uma periodontite e causar danos permanentes aos dentes. Os sintomas mais comuns da gengivite são: gengivas vermelhas, inchadas e sensíveis que podem sangrar durante a escovação.

Para prevenir a gengivite é essencial uma boa higiene bucal. Essa higiene consiste na correta escovação e uso apropriado do fio dental para remover restos alimentares e as placas bacterianas para evitar o tártaro. A limpeza profissional também é extremamente importante, pois uma vez que a placa se acumula e endurece, apenas o dentista pode removê-la.

8. Problemas Ortodônticos


Ortodontia é a especialidade odontológica que corrige a posição dos dentes e dos ossos maxilares posicionados de forma inadequada.

Quando os dentes estão tortos é muito difícil fazer uma boa limpeza, acarretando até na perda dos dentes pela falta de cuidado, além de prejudicar a aparência. Os problemas com mordida cruzada e aberta podem causar um estresse adicional nos músculos da mastigação — proporcionando dores de cabeça, nos ombros, no pescoço e nas costas.

Há vários tipos de aparelhos fixos e móveis. Esses aparelhos são utilizados para ajudar a movimentar os dentes, retrair os músculos e alterar o crescimento mandibular. O aparelho faz uma leve pressão nos dentes e ossos maxilares. A gravidade do seu problema é que irá determinar qual o procedimento ortodôntico mais adequado e mais eficaz.

Fonte: belezaesaude

 

sexta-feira, 24 de julho de 2015

Dicas para evitar o aparecimento de varizes

Descubra quais são as principais causas das varizes, confira algumas dicas para evitar esse problema e veja qual é o melhor tratamento



Não é preciso perder a cabeça com as varizes, elas podem ser evitadas e tratadas. Ao menos um terço das brasileiras tem varizes. Os primeiros microvasinhos geralmente surgem na adolescência, vão crescendo e só passam a incomodar mais tarde. Mas o uso de anticoncepcionais e o sedentarismo - além, claro, da preocupação em ter pernas bonitas - estão antecipando o problema e a busca por tratamento. Quem diz isso é Solange Evangelista, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular. O que os especialistas recomendam é tratar logo que os primeiros vasos aparecerem - ou mesmo antes disso se os pais tiverem varizes. "Por meio de um ultrassom vascular [doppler], dá para avaliar se existe predisposição e já iniciar um tratamento preventivo", diz o angiologista Edson Amaro. Há medidas para evitar o problema que são fáceis de adotar.
 
 

Se precisar, trate
Apesar de a motivação para combater as varizes geralmente ser estética, o tratamento delas deve ser feito por um médico. Procure um angiologista que vai analisar o seu caso e estudar a melhor forma de deixar suas pernas bonitonas. Algumas das opções são cirurgia, laser e escleroterapia química - que é o tratamento mais utilizado atualmente e consiste na aplicação de uma substância que "seca" a veia saliente. É comum serem necessárias várias sessões e a pele ficar arroxeada por alguns dias.

 
Mas existem alguns cuidados extras que podem ser tomados. Veja quais:
- Evite o uso de saltos altos, pois eles atrapalham a circulação do sangue.
- Consulte um médico e peça orientações específicas se for iniciar o tratamento com a pílula anticoncepcional.
- Evite o hábito de carregar pesos. Se isso for inevitável, procure alternativas como carrinhos com rodinhas, por exemplo.
- Não fique o dia inteiro na mesma posição. Se isso for inevitável, levante-se regularmente para liberar a circulação sanguínea.
- Tenha cuidado com exercícios como a musculação ou a aeróbica de alto impacto, porque provocam uma maior tensão nos vasos e, por conseqüencia, a sua dilatação.
- Evite permanecer em lugares quentes por muito tempo, como em saunas, sessões de bronzeamento ou banhos quentes, porque também provocam dilatação dos vasos.
- Sempre que possível, deite-se com as pernas elevadas, para favorecer o retorno venoso, já que os pés ficarão mais altos que o coração.
- Jamais trate as varizes sem o acompanhamento de um angiologista.
 
 
Fontes: terra.com e mdemulher